Cabeleireiros: Como perder uma cliente em 5 passos!

Não são raras as histórias de clientes lesadas em salões de beleza. E no post de hoje vou compartilhar com vocês algumas situações, que pode levar cabeleireiros perder suas clientes e como evitar este tipo de situação!

Erros cometidos por cabeleireiros no salão de beleza

Oi gente tudo bom? O assunto de hoje é bem delicado e polêmico: situações constrangedoras que acontecem no salão de beleza. Em especial, situações desagradáveis e erros cometidos por cabeleireiros.

Sabemos que o salão de beleza é um lugar de embelezamento, onde homens e mulheres investem na sua beleza e principalmente sua auto – estima.

Existem profissionais super capacitados, éticos, que fazem reciclagem, investe em infra estrutura, atendimento diferenciado, personalizado, e usa produtos com qualidade.

No entanto, há também profissionais que não se preocupam em atender bem, em aprender novas técnicas, e oferecem um atendimento com má qualidade. E há também aqueles que só visam o lucro, sem se preocupar com a saúde da sua cliente.

E este post é justamente sobre este tipo de profissional: o irresponsável!

Cabeleireiros: Como perder uma cliente em 3,2,1

Quem nunca passou por alguma situação desagradável no salão de beleza? Pois é, isso é mais comum do que a gente imagina.

Assim como as manicures, há também uma escassez de bons profissionais cabeleireiros. Se você teve sorte, e encontrou um bom, gruda nele e não se aventure com outros, ok?

Agora, conheça algumas situações constrangedoras em salões de beleza, que pode fazer com que os cabeleireiros percam suas clientes para sempre, e como evitá-los.

1- Ser omisso em relação às informações essenciais

Sabe aquele profissional que não deixa você ver os produtos usados, e vêm com tudo pronto no potinho? Ou mesmo aquele que inclui taxas ou novos procedimentos sem informar o valor antes, e quando vem a conta você quase cai da cadeira?

E para piorar, tem aqueles que não informam os possíveis riscos de alguns procedimentos, como tipos de alisamentos, por exemplo.

Este profissional tem a obrigação de deixar claro para suas clientes o preço do serviço, produto a ser usado, e se tem alguma química que faz mal a saúde, incompatibilidade, etc.

O que diz a lei?

Então, o artigo 40 do Código de Defesa do Consumidor prevê, que é direito de todos enxergar claramente tabelas com os preços legíveis dos serviços, as condições de pagamento, datas para o início e término dos serviços e orientações sobre os riscos dos procedimentos em cada condição.

Como resolver?

Converse antes com o profissional responsável pelo procedimento. Pergunte quais produtos serão utilizados, e as técnicas com as quais trabalha.

Peça para que avalie os seus cabelos e faça um orçamento detalhado do serviço.

2- Fazer o que quer sem ouvir a cliente/ Ser desatento

Não é nada legal se deparar com um profissional desatento. Exemplo: aquele que presta mais atenção no celular, que não é atencioso com você, que não respeita o seu gosto pessoal. E ainda tem aqueles que querem impor a todo custo o seu gosto pessoal para a cliente.

Um bom profissional, comprometido com o que faz, ouve o que a sua cliente tem a dizer, o seu desejo, o corte, a cor, etc.

Como resolver?

É de extrema importância que o profissional e o cliente entrem em acordo antes de qualquer procedimento.  Escute o que a sua cliente tem a dizer, explique os motivos de fazer ou não determinado procedimento e ofereça alternativas.

3- Errar no corte/ Cortar demais o cabelo

Esta é uma situação extremamente angustiante. Quando você entrega a sua cabeça nas mãos do cabeleireiro, espera sair mais bela, poderosa, não é mesmo?

E quando o cabeleireiro erra feio no corte? Dá vontade de voltar no tempo e desfazer as picotadas, não é mesmo? Leia também o artigo: Corte de Cabelo: Você precisa realmente de uma mudança radical?

Já aconteceu comigo e ficou uma triste lembrança. Tinha os cabelos longos, na altura da cintura e queria um corte em V, e que começasse abaixo do ombro, deixei isso bem claro para a profissional.

O resultado foi um desastre total, por falta de atenção. Foi feito um corte super curto, estilo chanel. Quando questionada, a profissional disse que entendeu que era para cortar o cabelo todo na altura do ombro.

(Essa situação também tem a ver com o tópico 2, que além de desatenta, fez o que quis, por não saber ouvir).

Este erro mexeu demais com a minha auto-estima, não me reconhecia de cabelo curto. E ainda tive que ouvir dela que o cabelo cresce, e que eu ficava melhor de cabelo curto.

E pra piorar, virei motivo de piada na escola, como tinha o cabelo tingido de preto (tinha uns 14 anos e meu cabelo já era tingido, #precoce), me apelidaram de Cleópatra.

Naquela época não sabia que existia uma lei que assegurava meus direitos como consumidora, se soubesse, com certeza não deixaria passar em branco!

4- Errar na descoloração, coloração, luzes, mechas e não saber consertar

Essa situação é trágica, já aconteceu comigo e também já presenciei clientes saírem chorando do salão de beleza.

Errar é humano, como diz o ditado, mas se errou no cabelo, no mínimo, o profissional que causou o dano tem que saber consertar.

Aconteceu uma situação bem embaraçosa comigo. A profissional fez uma descoloração na raiz do meu cabelo e a raiz ficou super laranja.

Ela secou, escovou, como se nada tivesse acontecido. Fiquei estática, olhando no espelho, não acreditando que ela não iria arrumar a cor. E ainda ia me deixar sair do salão com o cabelo manchado daquele jeito.

E foi exatamente isso que aconteceu. Como alternativa, ela sugeriu que eu escurecesse todo o cabelo. Não iria escurecer, pois o comprimento estava com um tom platinado super bonito.

Então, sugeri que ela esfumasse a raiz, só que infelizmente ela disse que não sabia fazer esta técnica.

Como consertei?

Sai do salão e consertei a raiz do cabelo em casa, usando um tonalizante mais escuro na raiz. Diante de uma situação dessas, o profissional tem que refazer o serviço, e arcar com os prejuízos, viu?

5- Faltar com respeito

Isso inclui várias situações, como por exemplo: chamar atenção de funcionárias na frente das clientes, ser agressiva ao mexer no cabelos, “esquecer” de avisar a cliente que não vai dar para atendê-la mesmo com  horário agendado, entre outros.

Acho importante relatar o que aconteceu comigo, para que sirva de alerta para que não aconteça com outras pessoas.

Quem nunca foi alvo de uma piada sem graça, chacota? Pois bem, isso por si só já é horrível, mas dentro de um salão de beleza é imperdoável!

Como relatei no tópico 4, deu ruim quando eu fui no salão fazer a descoloração na raiz do cabelo, onde ficou laranja e manchado.

Pelo espelho, observei que tanto o filho da cabeleireira, quanto a sua assistente não paravam de rir, estavam caçoando da minha cara. Me senti totalmente ofendida e desconfortável de estar naquele lugar, (que estive por muitos anos, e que achava que era um local de confiança e que me respeitava, só que não!).

Antes de ir embora, chamei a cabeleireira de canto e reclamei da atitude do seu filho (que não era nenhuma criança), e da sua assistente.

Recebi um pedido de desculpas e um sorriso amarelo. E disse que iria conversar com a tal assistente, pois não era a primeira a reclamar do seu comportamento. Pode uma coisa dessas?

Como resolvi?

Apesar de ter ficado super frustrada com tudo que passei, uni forças e decidi fazer o procedimento em casa, e tentei contornar a situação naquele mesmo dia.

Só ia me sentir bem de verdade se retornasse lá, com o cabelo consertado. E foi isso que eu fiz. Esfumei a raiz do cabelo, sem manchar, e me dirigi ao tal salão.

Apesar de toda situação desagradável, e ainda ter que consertar um erro de uma “profissional”, e ser alvo de chacota, consegui dar a volta por cima.

Me senti um pouco melhor em mostrar para a profissional como fazia o procedimento, e principalmente quando perguntei a tal assistente se ela ia rir do meu cabelo novamente. Não preciso nem dizer que ficou aquele silêncio constrangedor…

E quando o profissional é grosseiro?

Pentear o cabelo com força, queimar o couro cabeludo com o secador ou mesmo com a chapinha. Ou seja, não ser gentil ao manusear os cabelos das clientes é um erro grave.

Conheci algumas, inclusive, um delas foi a tal assistente que riu do meu cabelo manchado. A mesma já tinha sido grosseira em outras ocasiões.

Mexia no cabelo com agressividade, e segurava o secador muito próximo chegando a queimar o couro cabeludo. E às vezes jogava um jato de vento quente bem no meu rosto.

Quando reclamei, a moça simplesmente fez uma cara emburrada, bateu com o secador na minha cabeça, e saiu. Depois disso, pedi encarecidamente à dona do salão, que a moça não tocasse nunca mais no meu cabelo.

O meu exemplo deixou claro que, a falta de maturidade, reciclagem/ atualização dos conhecimentos, novas técnicas e tendências, atendimento, falta de responsabilidade e respeito, pode fazer com certeza o profissional perder clientes com o passar do tempo.

Como resolver erros cometidos por profissionais no salão de beleza?

Você pode pedir o seu dinheiro de volta, ou mesmo exigir que o serviço seja refeito. Se o profissional se recusar, você pode abrir uma reclamação no PROCON.

E se esse acordo não acontecer, será encaminhado para o juizado especial cível (juizado de pequenas causas).  Você ainda pode pedir indenização por danos.

Se o salão se negar a devolver o dinheiro ou mesmo refazer o serviço, faça um boletim de ocorrência na Delegacia de Defesa do Consumidor da sua cidade.

Você vai ter que provar que a culpa foi do profissional.

Importante saber:

Para que você possa reivindicar seus direitos é importante solicitar um recibo para cada serviço prestado no salão. Caso entre com uma ação, o cliente deve provar as suas alegações, mediante cupons fiscais, fotografias.

Ou seja, mesmo o Código de Defesa do Consumidor prever que é o fornecedor que deve provar que não causou danos à cliente (inversão do ônus da prova), este tipo de prova colabora bastante para o êxito da ação.

Por isso, é importante a nota fiscal, e se possível um termo de responsabilidade. Nele o profissional declara os riscos por escrito, e o tratamento que está sendo pedido.

Assinando este termo de responsabilidade, a responsabilidade passa a ser do cliente também, pois está ciente.

Enfim, uma dica que dou, é sempre agir com honestidade (cabeleireiro e cliente). Mantendo uma postura responsável os dois só têm a  ganhar!

Por: Cris R. Feller 1257 Artigos
Olá, eu sou a Cris!E estarei aqui todos os dias para falar com vocês sobre tendências, beleza, maquiagens, resenhas, cuidados com os cabelos, lançamentos e muito mais! Me acompanhe!